8 de mai de 2010

Razões para o abandono de áreas ricas de convívio

Apesar de rigorosamente não gostar nada do Ruy Castro, devido principalmente a sua grande ligação com a burguesia carioca (da mesma forma que tenho certa ojeriza à mesma burguesia paulistana), no pequeno texto dele na FSP de hoje, concordo com a análise dele.

O engraçado é que, mesmo com uma tremenda distância entre pensamentos, modo de vida e locais de moradia, notamos que o problema de abandono de várias cidades e bairros no mundo, e principalmente no Brasil, tem como fator preponderante o tipo de uso deles.

O centro de SP, outrora vivia 24 horas, hoje vive somente em dias e horários comerciais.

Enquanto isso não mudar, tudo está perdido!

RUY CASTRO

Vida na rua

RIO DE JANEIRO - Era uma livraria na rua Dias Ferreira, no Leblon. As bancadas dos livros tinham sido recrutadas entre os móveis e utensílios de uma tipografia de 1900, com os tipos de chumbo transbordando dos caixotins, as pilhas de clichês velhos, as amarras, as ramas, os componedores e até uma guilhotina -objetos incompreensíveis para a maioria dos clientes e, ao mesmo tempo, tão a propósito: talvez tivessem ajudado a compor e imprimir os tataravôs dos livros novos, de história, urbanismo e artes gráficas, especialidades da casa.

A dois quarteirões dali, um sebo, o mais charmoso do Rio nos últimos 20 anos, e também cheio de bossa: grande literatura em várias línguas, fotos de craques do passado nas paredes, um gato preto chamado Zulu e sempre alguém interessante folheando alguma coisa. Certa noite, ouvi quando a bonita mulher de um diretor de televisão, olhando intrigada para as estantes, comentou: "Que engraçado! Quanto livro velho!".

Já faz tempo que nenhum dos dois existe mais. A livraria é hoje um laboratório de análises químicas, campeão em biópsias e exames de urina. O sebo tornou-se uma butique ou confecção -uma grife. O inconveniente é que, enquanto a livraria e o sebo ficavam abertos até tarde, acolhendo os livrescos notívagos e solitários, seus sucessores encerram às 6, com dia claro, e condenam boa parte de seus quarteirões ao escuro e ao nada.

O mesmo acontece quando fecha um cinema de rua e, com ele, evaporam-se da calçada o pipoqueiro, a fila, a paquera bem-sucedida, o reencontro de amigos e a oportunidade do convívio social onde ele melhor se realiza: no amplo espaço público. Você dirá que, para cada livraria, cinema ou loja de discos que fecha, abre uma pizzaria, um sushi-viagem ou um yogoberry.

Desculpe, mas não acho que seja a mesma coisa.

Nenhum comentário: