19 de nov de 2011

Grandes guerras e as guerras diárias me PARALIZAM!

Me sinto como que saindo de uma guerra. Ou melhor, saio de uma batalha e continuo na guerra cotidiana da vida. Balas passam por minha cabeça e por meu coração. Balas saem do gatilho em minhas mãos, da minha boca e também da minha mente, se é que algumas não são atiradas veementemente do coração!

Mas não voltei aqui para escrever poesia.... mas quem disse que poesia é inútil (questão para um post único 1).

Vou falar sobre música. Sobre música e letra, na verdade.

Depois de uma amiga compartilhar uma canção antiga de uma banda cristã americana, não sei por que, me lembrei de uma outra canção de outra banda mais ou menos cristã. A primeira banda é o Third Day, a segunda é o Sixpence None the Richer.

O Sixpence é mais conhecido por aquela canção pegajosa chamada Kiss Me que acabou sendo colocada em uma porção de filmes e virou hit no rádio e também na MTV. Primeiro, tenho que admitir que em uma época cheia de romance no coração (um tiro chegou lá e o despedaçou várias vezes já), fui em uma loja e.... comprei o CD! Ouvi-lo foi surpreendente! Havia muito mais que Kiss Me lá! E claro, para começar, o que me chamou a atenção como de costume foram as guitarras do Matt Slocum!

Óbvio que comecei a acompanhar a carreira do grupo e acabei me esquecendo do Sixpence. Há pouco mais de 2 anos voltei à carga e baixei mais dois CDs deles (o melhor trabalho da carreira deles é o Divine Discontent!).

Em um destes CDs havia uma canção denominada PARALYZED. Como de costume, durante muito tempo me preocupei apenas em ouvir a música porque nela há um dos melhores riffs de guitarra que conheço, mas é fundamental ouvir o que a bela voz da Leigh Nash canta. Eis que ao atentar para a letra vemos um líbelo contra a guerra. Especificamente sobre a guerra do Kozovo, mas basta pensarmos um pouco e nos lembrar quantas guerras acometem a humanidade neste momento para imaginar quanto sangue derramado há nos campos do mundo. Quantos mortos. E quantos bebês já chorando no útero de suas mães.

Não vou escrever mais nada, apenas compartilho a a letra em inglês, em português e o link para uma apresentação ao vivo da música no youtube.

I look out to the fields
Where blood is shed upon the ground 
I breathe in, breathe out 
Change the channel, mute the sound 
I take a match, a cigarette, and a walk to clear my head
My stomach reeling at the thought of all those human beings dead 


I breathe in, and breathe out 
And go to do an interview 
About a song, three minutes long 
I just need something to do. 
Especially when my dearest friend
Was sent to cover Kosovo 
His last assignment brought a bullet 
And now he's gone, he's gone 


Feels like I'm fiddling while Rome is burning down 


Should I lay my fiddle down, take a rifle from the ground?
I need the ghost to breathe a northern gale tonight 


'Cause I'm paralyzed, I'm paralyzed 


I packed his books up, left the office 
Went to tell the wife the news 
She fell in shock, the baby kicked, and shed a tear inside the womb 
I breathe in, I breathe out 
Soak the ground up with my eyes 
It's hard to say a healing word 
When your tongue is paralyzed 


Feels like I'm fiddling while Rome is burning down 


Should I lay my fiddle down, take a rifle from the ground?
I need the ghost to breathe a northern gale tonight 
'Cause I'm paralyzed, I'm paralyzed


Eu dou uma olhada nos campos

Onde sangue é derramado no chão
Eu inspiro e expiro
Mudo o canal, deixo o som mudo
Eu pego um fósforo, um cigarro e dou uma volta pra clarear a cabeça
Meu estômago está revirando de pensar em todos aqueles seres humanos mortos


Eu inspiro e expiro
E vou dar uma entrevista
Sobre uma música, duração de 3 minutos
Preciso fazer alguma coisa
Principalmente quando meu melhor amigo
Foi mandado pra cobrir a guerra do Kosovo
Em seu último trabalho levou uma bala
E agora ele se foi, se foi


Parece que estou me preocupando com besteira enquanto Roma está queimando


Devo deixar minhas besteiras de lado, tirar uma arma do chão?
Preciso do fantasma pra respirar, uma invasão do norte essa noite


Porque estou paralisada, estou paralisada


Peguei os livros dele, deixei o escritório
Fui contar as novidades pra esposa
Ela ficou em choque, o bebê chutou, e derramou uma lágrima dentro do útero


Eu inspiro, eu expiro
Sugo o chão pra cima com meus olhos
É difícil dizer uma palavra pra acalmar
Quando sua língua está paralisada
Parece que estou me preocupando com besteira enquanto Roma está queimando

Devo deixar minhas besteiras de lado, tirar uma arma do chão?
Preciso do fantasma pra respirar, uma invasão do norte essa noite


Porque estou paralisada, estou paralisada

Nenhum comentário: